Equipe

Atualmente, o espetáculo conta com a seguinte equipe de criação:

Marcos Damigo (diretor/autor/idealizador) – Ator, diretor e autor teatral formado pela Escola de Arte Dramática (ECA/USP), possui grande interesse pela história do Brasil como fonte de criação artística: ganhou o Prêmio Nascente da USP por seu primeiro texto teatral, “Cabra”, sobre a Guerra de Canudos; adaptou clássicos como “O Retrato de Dorian Gray” (Oscar Wilde), realizado pelo Teatro Popular do SESI SP, onde também foi protagonista, e “O Barão nas Árvores” (Ítalo Calvino), para a Cia. Circo Mínimo; e coordenou a dramaturgia do projeto “O Que Morreu Mas Não Deitou?”, indicado ao Prêmio Shell na categoria especial. Seu mais recente texto, ainda inédito, “Entre a Cruz e os Canibais na Vila de São Paulo de Piratininga”, foi escrito com recursos do PROAC Dramaturgia 2020. Como diretor, realizou “Os Visitantes” (Priscila Gontijo) e “Perfeitos, Perversos e Educados” (Howard Brenton), que também traduziu para o português. Na televisão, estreou no SBT como protagonista da novela “Fascinação” (Walcyr Carrasco). Na Rede Globo, atuou em “Joia Rara” (Thelma Guedes e Duca Rachid), ganhadora do prêmio Emmy Internacional de melhor novela, e “Insensato Coração” (Gilberto Braga e Ricardo Linhares). Como ator, protagonizou “O Pai” de August Strindberg, direção de Regina Galdino, e atuou nos elogiados monólogos baseados nas obras de Machado de Assis “As Sombras de Dom Casmurro”, sob direção de Débora Dubois, e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, direção de Regina Galdino, que lhe rendeu indicação ao Prêmio APCA de Melhor Ator 2017. Colabora com a Cia. Livre desde 2017, com quem realizou os espetáculos “Os Um e os Outros”, adaptação de “Horácios e Curiácios” de Brecht (SESC Pompeia/2019) e “Dostoieviski Trip” do russo Vladimir Sorókin (CCBB SP/2017), ambos com direção de Cibele Forjaz.

Sara Antunes (atriz)  – Formada pela Escola de Arte Dramática (ECA/USP) e bacharel em Filosofia pela USP, foi uma das fundadoras do Grupo Tablado de Arruar e do Grupo XIX de Teatro, ambos de São Paulo, tendo realizado turnês pelo Brasil, Portugal, França, Inglaterra e Cabo Verde. Atuou em português, francês e inglês. Como atriz e dramaturga, atuou nos espetáculos premiados “Hysteria”, “Hygiene” e “Arrufos”, com o Grupo XIX de Teatro. Criou e atuou nos solos de sua própria autoria “Negrinha” e “Sonhos Para Vestir”, dirigidos por Vera Holtz. Foi Diretora-Assistente do espetáculo “Sentimento do Mundo” (Domingos de Oliveira). Também atuou nas peças: “Guerrilheiras ou Para a Terra não há Desaparecidos” (Grace Passô), sob direção de Georgette Fadel; “As Meninas” (Maitê Proença e Luiz Carlos Goés), direção de Amir Haddad; e “Vestido de Noiva”, direção de Caco Coelho. Entre os principais prêmios que recebeu, estão: APCA, Qualidade Brasil, Nascente, além de ter sido indicada ao Prêmio Shell, juntamente com o Grupo XIX de Teatro, como melhor atriz no Prêmio Questão de Crítica, e como melhor atriz coadjuvante no Festival de Gramado. Na televisão, participou do seriado “A Grande Família”, das novelas “Em Família”, “A Vida dos Outros” e da série “Nada Será Como Antes”, todas pela Rede Globo. Atuou também recentemente nas séries “Segunda Chamada” e “Todas as Mulheres do Mundo”, na TV Globo. No cinema, atuou em “Alma Clandestina”, documentário que retratava a vida de Dora, mulher que lutou contra a ditadura militar no Brasil. O interesse por essa história levou Sara a criar o solo “Dora”, que estreou virtualmente em 2021 e foi apresentado presencialmente em 2022 na cúpula do Theatro Municipal.

Plínio Soares (ator) – Graduado pela Escola de Arte Dramática (ECA/USP). No teatro atuou em diversos espetáculos, incluindo “Noés”, de Rafael Neumayr, direção de Carlos Gradim; “Sonata De Outono”, de Ingmar Bergman, direção de Aimar Labaki; “Maria Miss”, adaptação de conto de Guimarães Rosa por Ewill Rebouças, direção de Yara de Novaes; “A Mulher que Ri”, de Paulo Santoro, direção de Yara de Novaes; “Hamlet”, de William Shakespeare, direção Francisco Medeiros; “O Que Morreu Mas Não Deitou” e “Terra Sem Lei”, coordenação de Francisco Medeiros; “Ricardo III”, de William Shakespeare, direção de Roberto Lage; “Prova Contrária”, de Fernando Bonassi, direção de Débora Dubois; “Bonita Lampião”, de Renata Melo, direção de Renata Melo (indicado Prêmio Shell como Melhor Ator); “O Santeiro Do Mangue”, de Oswald de Andrade, direção de José Celso Martinez Corrêa; “Esperando Godot”, de Samuel Beckett, direção de Francesco Zigrino; entre outras. No cinema, atou em “O Coletor”, de Marcos Alquéres; “Therese”, de Fabiana Serpa; “Xingu”, de Cao Hambúrguer; “Ensaio Sobre A Cegueira”, de Fernando Meirelles, “Bruna Surfistinha”, de Marcos Baldini; “Domésticas”, o filme, de Nando Oliva e Fernando Meirelles. Na televisão integrou o elenco de “Malhação-Conectados”; “Mad Maria”; “A Cor do Pecado”, “Esperança”, “Coração de Estudante” (Rede Globo); “Telecurso 2000” (Fundação Roberto Marinho); “Homeless”; “Castelo Ra-Tim-Bum”; “Mundo da Lua” (TV Cultura); “Milagres de Jesus” – “A Mulher Encurvada”; “Cidadão Brasileiro” ( Rede Record). 

Ana Eliza Colomar (musicista) – Bacharel em Letras pela USP, completou seus estudos na Escola Municipal de Música de São Paulo. Atua profissionalmente tanto em música erudita, como em música popular, executando violoncelo, flauta e sax. Integrou a Orquestra Experimental de Repertório e a Orquestra Sinfônica de Santo André. Tem ampla experiência em espetáculos teatrais: Integrou o Grupo do Ornitorrinco, o Grupo XPTO, o elenco de “O Retrato de Dorian Gray” no SESI São Paulo, como instrumentista e arranjadora. Autora e intérprete solo da trilha de “Leopoldina, Independência e Morte”. Integrou elenco de “Noite Filme Noir Cabaret – Trixmix.” Foi flautista e saxofonista dos musicais “Les Misérables” e “A Bela e Fera”. Acompanhou e gravou com Edson Cordeiro, com participação de Ney Matogrosso, Laura Pausini, Fortuna, Gereba, Rita Ribeiro, Loop B, Socorro Lira, Fioti, Stela Campos, Quinteto Aralume, Grupo Bojo, Thiago Pethit, Tiê, entre outros. Desenvolve também projeto de união da linguagem acústica com música eletrônica junto ao Grupo Pedra Branca. Integrou o quarteto de jazz da pianista Christianne Neves com a qual foi solista no Festival de Jazz de Sorocaba, em 2013. Integra, há 20 anos, o grupo de música étnica Mawaca, com o qual participou de inúmeros festivais e shows pelo mundo, e o grupo de samba e choro Dedo de Moça, vencedor do fomento música 2019. Foi parecerista no edital PROAC música Instrumental em 2014 e 2015 

Ficha Técnica

texto e direção Marcos Damigo |elenco Sara Antunes e Plínio Soares  |  flauta e cello Ana Eliza Colomar  | assistente de direção Laura Salerno  |  preparação de atores Lucas Brandão | cenário Renato Bolelli Rebouças  |  assistente de cenografia Amanda Vieira | figurinos Cássio Brasil  |  assistente de figurinos Daniela Tocci | trilha sonora Ana Eliza Colomar e Nivaldo Godoy Junior | desenho de luz Aline Santini  |  operação de luz Pâmola Cidrack e Pajeú Oliveira | contrarregra Ví Silva  |  camareira Elisa Galdino | consultor histórico Paulo Rezzutti | artes visuais Pris Lo  |  design gráfico e vídeos Ramon Jardim  | fotos divulgação Ariel Cavotti, Maíra Barillo e Victor Iemini | comunicação Agência Fervo – Fabiana Cardoso, Julia Ramos, Priscila Cotta e Vi Silva | clipping e valoração de mídia Ferba – Priscila Basílio | direção de produção Fernanda Moura | produção executiva Renata Araújo |  assistente de produção Fernanda Ramos  | assessoria jurídica administrativa Mariana de Castro  |  contabilidade Julio Andrade | produção e administração Palimpsesto Produções Artísticas – Fernanda Moura | idealização Marcos Damigo

Em outras temporadas, a obra foi realizada com a seguinte configuração:

Temporada CCBB Rio de Janeiro (janeiro e fevereiro de 2020):

Texto, direção e idealização: Marcos Damigo codireção: Lucas Brandão elenco: Sara Antunes e Plínio Soares música ao vivo: flauta e cello por Ana Eliza Colomar colaboração artística: Fabiana Gugli, Tarina Quelho e Joca Andreazza cenário: Renato Bolelli Rebouças assistente de cenografia: Amanda Vieira figurino: Cássio Brasil assistente de figurinos: Daniela Tocci trilha sonora: Ana Eliza Colomar e Nivaldo Godoy Junior desenho de luz: Aline Santini assistente de direção: Laura Salerno consultor histórico: Paulo Rezzutti artes visuais: Priscila Lopes design gráfico: Ramon Ribeiro foto divulgação: Victor Iemini, Lorena Zschaber e Maíra Barillo video: João F Maciel comunicação: Agência Fervo – Priscila Cotta produção local RJ: Reprodutora produção executiva RJ: Gabriel Bortolini coordenador de produção RJ: Luiz Schiavinato Valente operação de luz e projeção RJ: Lara Cunha contrarregra e camareira RJ: Sonia Oliveira direção de produção: Fernanda Moura assistente de produção: Fernanda Ramos assessoria administrativa e jurídica: Mariana de Castro assistente contábil: Anna Laura contabilidade: Andrade & Associados assistente contábil: Anna Laura Soeira produção e administração: Palimpsesto Produções Artísticas – Fernanda Moura patrocínio: Banco do Brasil realização: Centro Cultural do Banco do Brasil assessoria de imprensa RJ: JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany 


Temporada CCBBs São Paulo e Belo Horizonte (setembro de 2019):

Texto e Direção: Marcos Damigo. Codireção: Lucas Brandão. Elenco: Fabiana Gugli e Plínio Soares. Consultoria histórica: Paulo Rezzutti. Assistente de direção: Laura Salerno. Cenografia: Renato Bolelli Rebouças. Figurinos: Cássio Brasil. Assistente de figurinos: Daniela Tocci. Desenho de Luz: Aline Santini. Música ao vivo (flauta e cello): Ana Eliza Colomar. Trilha Sonora: Ana Eliza Colomar e Nivaldo Godoy Junior. Colaboração Artística: Sara Antunes, Tarina Quelho, Joca Andreazza e Roberto Setton. Assistente de cenografia: Amanda Vieira. Artes Visuais: Priscila Lopes. Design Gráfico: Ramon Jardim e Victor Iemini. Fotografia e Vídeo: Victor Iemini. Comunicação: Agência Fervo – Priscila Cotta. Assessoria Jurídica: Mariana de Castro Assistente administrativo: Sérgio Antônio Moura. Contabilidade: Andrade & Associados. Assistente de produção: Fernanda Ramos. Direção de Produção: Fernanda Moura Idealização: Marcos Damigo. Produção e Administração: Fernanda Moura – Palimpsesto Produções Artísticas. Assessoria de imprensa local BH: Luz Comunicação – Jozane Faleiro Assessoria de imprensa local SP: Agência Fervo – Júlia Ramos


Temporada CCBB São Paulo (maio de junho de 2018):

Texto e Direção: Marcos Damigo. Elenco: Sara Antunes e Joca Andreazza. Consultoria Histórica: Paulo Rezzutti. Cenografia: Renato Bolelli Rebouças. Figurinos: Cássio Brasil. Desenho de Luz: Roberto Setton. Trilha Sonora Eletrônica e Desenho de Som: Nivaldo Godoy. Trilha Sonora Instrumental (cello, flauta e sax): Ana Eliza Colomar. Gravação de trilha: Origem Estúdio, Gravação e Eventos. Técnico de Gravação: Manoel Cruz. Preparação de Elenco: Tarina Quelho e Lucas Brandão. Assistente de Direção: Laura Salerno. Assistente de Cenografia: Amanda Vieira. Fotografia, Vídeo e Projeto Gráfico: Victor Iemini. Comunicação: Agência Fervo – Priscila Cotta e Júlia Ramos. Assessoria Jurídica: Renata Araújo. Assistente Administrativo: Sérgio Antônio Moura. Contabilidade: Andrade & Associados. Design de Produção: Fernanda Moura e Renata Araújo. Idealização: Marcos Damigo. Produção e Administração: Fernanda Moura – Palimpsesto Produções Artísticas.